O portal aTiva21 busca ampliar o debate e troca de informações acerca da Trissomia do 21, trazendo as mais recentes inovações e descobertas que podem impactar positivamente a inclusão das pessoas com síndrome de Down.

Educar e capacitar para a sociedade inclusiva, essa é uma das missões do aTiva21, portal concebido para acessibi­lizar conhecimentos científicos atualizados e inovadores sobre a Trissomia do 21 no País.

O Portal pretende ser o elo entre profissionais da área de saúde, direito, educação, instituições especializadas, agentes públicos, famílias e todos que de alguma forma estão envolvidos com a causa, para debater e trocar experiências e informações sobre os diversos aspectos que influenciam a vida de quem nasceu com a Trissomia do 21, popularmente conhecida como síndrome de Down.

Guia de Estimulação “Abordagem Transdisciplinar na síndrome de Down”, que contém informações com bases científicas, de forma precisa e uniforme, levando aos profissionais que atuam na área melhores condições para atenderem com maior segurança e eficácia pacientes e alunos com a Trissomia do 21 é um dos produtos do portal aTiva21.

O portal aTiva 21 está alinhado com os valores e princípios expressos na Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, ratificada pelo Brasil com equivalência de Emenda Constitucional e efetivados na Lei Brasileira de Inclusão de Pessoas com Deficiência- LBI. “O processo de inclusão no Brasil, já tem conquistas e avanços significativos. Por outro lado, ainda temos muito para construir e avançar, no sentido da consolidação de direitos adquiridos”, ressalta Cátia Andrade. Esta é a intenção do aTiva21: estabelecer canais de diálogo e de disseminação da informação entre a comunidade científica e a sociedade civil organizada. “Ambos os polos têm muito a aprender um com o outro”, conclui as organizadoras.

Sobre as organizadoras

Emília Gama, diretora pedagogia do IEPSIS, é assistente social, Mestre em Educação, especialista em Saúde Mental, em Abordagem Interdisciplinar em síndrome de Down e em Neuropsicopedagogia, com cursos de qualificação em SUAS, deficiência intelectual, visual e auditiva. É autora da primeira pós-graduação lato sensu sobre Síndrome de Down reconhecida pelo MEC.

Cátia Andrade, presidente da associação Ivone e Pedro Lanza- IPEL Down, é pedagoga, advogada, especialista em Abordagem Interdisciplinar em síndrome de Down e neuroaprendizagem, mestranda em Saúde Publica, com vários cursos de qualificação em síndrome de Down e direito.